Reading on The Kindle

I’m a pretty recent Kindle user. I’ve bought one about a month ago and just recently started to read on it. It works like a real book for me : no eye strain, you can read at direct sunlight and, having also acquired the lighted leather cover, I’m able to read at dark environments where there’s no or little lighting.

Plus the convenience of having the huge Amazon huge catalog of you disposal, lower prices for the electronic version of books and the fact that you can thousands of books at your hands inside your Kindle, without the discomfort of having to carry huge piles of paper around.

It’s important to note that I bought the e-book reader only version, not the tablet member of the Kindle family. I gave it a lot of thought before setting on the e-reader only device. My goal was to acquire a reading device with exactly the good features I just cited above and not anything else.

A tablet and all the social features it would bring with it would distract any reader from the experience of a good reading session. And I can confirm that having opted for the e-book reader only device actually improved my concentration on the text being read instead of me being distracted by Facebook/Twitter/whatever social bling would be available to look up in a tablet device.

However, there’s one caveat : technical content. For pure non-technical content, Kindle, the e-book reader only device, is superb. It will let you focus on the book being read nicely and get your “job” done. But, alas, for reading technical content it’s not all that good as I initially thought.

The Kindle has an ecosystem of things which will make the life of its users easier. Chrome’s “Send To Kindle” extension is one of these little assistants which are really nice. It will take a webpage, convert and format it to Kindle’s format and deliver it wirelessly to your Kindle for your own reading pleasure.

For a tech guy like me, you can imagine it’s a huge win to be able to send blog posts, articles and feed content to The Kindle and read it anywhere, anytime. Yes, indeed it is. But technical content is full of references to other online resources in the form of hyperlinks.

Here’s where Kindle, the e-book reader only device, is not a good device : web browsing. Sure, there’s a rudimentary web browser available and you can use it to browse any website using Kindle’s WiFi connection. The problem is that the device just wasn’t designed for this purpose.

Page turns are ok for reading a book, but are irritating slow for web browsing. The browser is also designed so it would essentially let you to read Wikipedia and access Amazon’s WebStore and that’s it. Trying to access anything else is a pain as it doesn’t support most modern browser technologies and rendering is really slow.

So, for me, Kindle, the e-book reader device, is a nice gadget for non-technical material reading. For anyone who are into the IT industry and needs to regularly read technical blog posts, articles and jump from page to page following references, I would suggest to buy a tablet instead.

That’s what I’m planning on doing in a not so distant future. Maybe even the Kindle Paperwhite, if Amazon finally lands officially here at my country before I set my buying decision on another tablet option already available at my country.

Anúncios

Levando sua informação com você, para onde você for

Se eu ainda não disse, que seja agora dito :  sou viciado em informação. Assino inúmeros feeds RSS e leio por completo a grande maioria deles.

Já tentei de diversas formas levar a informação comigo para todos os lugares, mas sempre falhei miseravelmente em todas as minhas tentativas, por diversos motivos distintos.


O brinquedinho

O brinquedinho


Ultimamente, tenho me divertido bastante com meu novo brinquedo/presente. O pequenino netbook me permite armazenar uma quantidade copiosa de informações e levá-las comigo para onde quer que eu queira.

Já havia tentado armazenar as informações que queria ter sempre comigo no smartphone, mas sempre tive como empecilho o fato do smartphone não ser na verdade um computador real.

Ele quebra um galho, mas não tem tudo o que um computador real pode oferecer e tentar utilizá-lo como se o mesmo realmente fosse um computador real sempre acabou me trazendo dores de cabeça.

Existe também o problema da limitação de espaço e capacidade. Um smartphone, por mais poderoso que seja, não é um computador real e, por isso, é limitado em vários pontos.

Um dos pontos principais é a capacidade de armazenamento. Isso seria solucionável com o abuso da nuvem para armazenar seus dados e tê-los disponíveis com você onde você estivesse. Infelizmente, isso é lindo na teoria, mas na prática ainda não é toda essa maravilha que pregam.

Existe a questão dos planos de dados terem um custo proibitivo para a grande maioria das pessoas (eu incluso) e o problema de ambas velocidade de acesso e cobertura serem bastante diferentes do que as operadoras querem nos fazer acreditar.

Eu tinha uma esperança com o Kindle. O que mais me chamava a atenção no Kindle era a conexão 3G gratuita. Ou seja, você compra o gadget, pode carregar seus livros por aí, ter acesso a Amazon para comprar os livros que quiser, acesso a jornais online (somente aqueles que tiverem uma parceria com a Amazon, provavelmente), ler em uma tela que não fica devendo quase nada a experiência de leitura de um livro convencional e uma conexão constante a Internet.

Seria uma maravilha se não fosse pelo fato de que, ao menos na versão internacional do Kindle, aquela que oficiamente lhe possibilitará utilizar a conexão 3G gratuita em território nacional, você não poderá utilizar o gadget para navegar livremente na Internet.

Segundo a Amazon, a conexão é para acesso exclusivo a loja online da Amazon (para comprar livros e baixá-los para o Kindle) e provavelmente ao conteúdo de parceiros de conteúdo online, como um jornal online, por exemplo.

De lambuja, a única coisa a qual lhe permitem acesso na versão internacional, ao menos para os usuários brasileiros, é a Wikipedia. Não que eu não acredite que seja louvável dar acesso gratuito a Wikipedia (conexão gratuita, não somente o acesso a informação lá contida), mas acredito que o gadget seria quase perfeito se ao menos acesso ao Google Reader fosse permitido.

Imagine poder ler seus feeds RSS atualizados enquanto você está sentado no trem, naquelas viagens tediosas, maçantes e infindáveis as quais somos obrigados a nos sujeitar para a locomoção diária casa -> trabalho, trabalho -> casa. Seria ótimo.

Enquanto isso não é possível, eu tinha a idéia de utilizar a funcionalidade de leitura offline do Google Reader, implementada com base no Google Gears, para poder armazenar uma cópia do conteúdo dos feeds RSS que assino para leitura offline.

Quando ganhei o netbook, utilizei a instalação Windows XP que veio com o mesmo (com licença, tudo oficialmente legal) para testar todos os componentes de hardware e somente depois acabar com o Windows e instalar Linux.

Uma das coisas com as quais fiquei feliz, na época, foi o fato de conseguir ter o Google Reader funcionando com o Google Gears na versão do Google Chrome, meu navegador preferido, para Windows XP.

Fiquei bastante contente e comecei a imaginar que tinha resolvido o meu problema de conseguir levar comigo minhas informações para onde eu as quisesse disponíveis. Obviamente, não era em tempo real, mas já quebrava um galho.

Qual não foi minha decepção ao descobrir que a leitura offline do Google Reader, com base no Google Gears, não funciona na versão do Google Chrome para Linux. O Google Gears, na verdade, não é instalável no Google Chrome para Linux.

E como dizem por aí que o Google estaria abandonando o Google Gears para implementar a mesma funcionalidade em HTML5, até que isso seja feito, infelizmente, provavelmente não teremos leitura offline para o Google Reader funcionando no Google Chrome para Linux.

Porém, somente hoje, acabei tropeçando sem querer na informação de que o Liferea, um leitor de feeds offline que usei muito no passado, possui suporte a sincronização com o Google Reader.

Fiquei muito contente com isso. Instalei o Liferea novamente rapidamente, consegui apontar para o Google Reader como fonte de feeds (somente fornecendo as credenciais de minha conta Google) e em poucos minutos estava com ele sincronizado com o Google Reader.

O interessante é que a sincronização e de mão dupla, ou seja, o que você lê offline é marcado como lido na versão online e vice-versa. No Liferea, você ainda pode marcar posts como “starred”, da mesma forma que o faz na interface Web do Google Reader.

Adicionalmente, no Liferea, você ainda tem a funcionalidade “broadcast-friends”, a qual lhe permite visualizar os posts compartilhados por seus contatos Google que compartilham seus feeds no Google Reader.

Obviamente, o suporte ao Google Reader no Liferea não possui todas as funcionalidades que a interface Web do Google Reader possui, mas possui todas as principais funcionalidades e  a funcionalidade mais útil está lá : sincronizar suas leituras de e para o Google Reader.

Agora, com o netbook, posso ter comigo minhas informações da forma como as quero, em qualquer lugar, e ter certeza que não estaria lendo informações duplicadas por estar lendo as mesmas uma vez em uma versão offline e outra em uma versão online do Google Reader.

Isso tudo acontece sem a necessidade de acesso a Internet durante minha movimentação diária e sincronizo as informações de e para o Google Reader quando chego em algum local onde conexão a Internet esteja disponível. Bastante cômodo.

Obviamente, uma solução final perfeita para a leitura offline (ou para a leitura online através de um gadget que esteja sempre conectado e que seja financeiramente viável) ainda não existe.

Essa é a forma que eu passarei a adotar para lidar com minhas leituras e acredito que a mesma seja um bom meio termo entre facilidade, comodidade e bom tratamento ao meu pobre e coitado bolso.

Agora, o que falta somente é realmente poder sacar o netbook da bolsa, abrí-lo e utilizá-lo dentro de um trem (não um metrô) metropolitano em São Paulo e não temer por perder sua vida sendo assaltado.

Nessas horas, sinto inveja do pessoal da Europa, os quais, segundo fiquei sabendo, fazem isso rotineiramente. Por lá, aparentemente, utilizar notebooks/netbooks dentro de trens é tão comum quanto é usar o celular em trens de São Paulo.

E você? Como você lida com sua leitura diária e como consegue se manter atualizado? Você consegue utilizar suas horas perdidas dentro do transporte público para colocar sua leitura em dia? De que forma? Qual a sua solução?