Assuma sua idiotice e salve a humanidade

A menos que você seja um adolescente ou tenha sérios problemas para se desvencilhar dessa época de sua vida, você certamente já deve ter compreendido que não conseguirá aprender tudo.

É impossível uma única pessoa, por mais inteligente que seja, conseguir aprender tudo em seu relativamente curto tempo de vida. Na verdade, você não precisa saber tudo. Nunca precisou. Isso nunca foi e nunca lhe será exigido.

Porém, como humanos, raça extremamente pouco evoluída, ainda temos um instinto primário que nos leva a acreditar que podemos fazer tudo, lidar com qualquer situação, resolver qualquer problema e ter as respostas para qualquer pergunta.

Muitos reconhecem isso como arrogância, pretensão ou soberba. Eu acredito que possa sim existir uma pitada desses sentimentos envolvida, mas acredito que o ser humano provavelmente deve ter algo próprio de sua raça que o faça agir dessa forma nas mais variadas situações.

Muitos irão citar um longo caminho ainda a ser trilhado em nosso crescimento espiritual no objetivo de nos tornarmos seres melhores. Eu não conheço nada de espiritualismo e não estou envolvido com nada relacionado e, portanto, não posso comentar, mas gostaria de poder confiar que um dia poderemos nos livrar dessas imperfeições.

O fato é que nos parece comum faltarmos com a verdade em relação a nossos conhecimentos e nossa capacidade de lidar com um desafio e/ou situação complexa. Por vezes assumimos que podemos lidar com algo que nem mesmo temos idéia do que seja, confiando que provavelmente conseguiremos, de alguma forma, chegar a uma conclusão satisfatória.

Muitas vezes conseguimos, mas é comum observar situações constrangedoras e difíceis de serem solucionadas somente porque alguém acreditou que seria capaz de assumir uma responsabilidade muito grande relacionada a algo para o que não estava preparado.

Uma forma de evitar isso é, primeiramente, tentar evitar o complexo de super-homem/super-mulher e acreditar que consegue dar conta de tudo. Obviamente, isso é impossível e não é somente porque achamos que não o seja que realmente o deixará de ser.

Estive lendo um ótimo texto (encontrado em uma indicação de @fzero via Twitter) no qual o autor cita que o conhecimento humano pode ser dividido basicamente em três grandes grupos : o que você sabe que sabe, o que você sabe que não sabe e o que você não sabe que não sabe.

O que você sabe que sabe é simples e engloba todo o conhecimento que vocẽ tem certeza que possui. Pense em qualquer coisa que você possa responder com propriedade e exatidão prontamente quando questionado. Isso é o que você sabe que sabe.

Mais importante do que o conhecimento que você sabe que sabe é o conhecimento que você sabe que não sabe. Basicamente, é estando ciente que você não sabe sobre um determinado assunto que você se livra de problemas maiores, evitando situações e/ou tarefas para as quais você sabe que não está preparado.

Porém, o terceiro grupo, o conhecimento que se encaixa no grupo do que você não sabe que não sabe é o mais importante dentre esses três grandes grupos citados.

O conhecimento que se encaixa no grupo do que você não sabe que não sabe é a grande armadilha pela qual você por vezes se deixa ser pego. Pense nas diversas situações em que você não tinha certeza se sabia sobre algo e optou por assumir uma responsabilidade relacionada a isso.

Situação comum : uma reunião, você sendo questionado sobre um assunto que você não domina, mas que você acredita não ser tão complexo e, instintivamente, decide não ser tão complexo a ponto de ser um impeditivo para o avanço de um determinado projeto.

Você simplesmente assume que conseguirá lidar com o problema e, talvez por ter passado por situações e/ou problemas semelhantes anteriormente, por comparação, deixa o projeto prosseguir acreditando que o ponto em questão pode ser solucionado de forma trivial.

Pouco tempo depois, após a reunião, você descobre que o ponto em questão é extremamente complexo e demandará mais pessoal, equipamento ou verba do que você havia imaginado, claramente caracterizando um ponto crítico e de alta importância, o qual não deveria ter sido assumido como simples.

Pessoalmente, nunca passei por situações como essa, mas já cheguei a estar muito próximo das mesmas (e, felizmente, consegui evitá-las) e presenciar situações constrangedoras pelas quais pessoas que assumiram saber sobre algo e não sabiam passaram.

O autor do texto citado anteriormente cita que o mais importante não é você somente saber muito, mas sim ter ciência do que você não sabe e, ainda mais importante, tentar evoluir no sentido de, cada vez mais, manter o conhecimento do grupo que você não sabe que não sabe mínimo.

Veja bem, a idéia não é simplesmente absorver todo o conhecimento existente, o que sabemos ser impossível, mas sim tentar manter o grupo de conhecimento das coisas que você não sabe que não sabe pequeno, seja tomando ciência de que você não sabe sobre algo e, portanto, adicionado esse conhecimento a lista das coisas que você sabe que não sabe ou realmente aprendendo sobre isso, o que o adicionaria na lista das coisas que você sabe que sabe.

A idéia é agir defensivamente, no intuito de não causar danos a você ou a terceiros tentando se meter com assuntos que você certamente não conhece ou, pior ainda, com assuntos que você nem mesmo tem certeza se não conhece.

Não é feio e nem proibido assumir que você não conhece sobre um determinado assunto, visto que, conforme já citado, é impossível para qualquer ser humano saber tudo sobre todos os assuntos.

Nem mesmo aquela pessoa super inteligente que você conhece e acredita ter a resposta para todas as perguntas sabe realmente tudo sobre todos os assuntos.

Muitos sabem muito sobre um assunto ou sobre um grupo de assuntos específicos, mas provavelmente sabem pouquíssimo ou mesmo nada sobre outros assuntos totalmente não relacionados. É normal, não devemos nos sentir ruins por não sabermos tudo.

O mais importante é, novamente, não tentarmos esconder nossos sentimentos e esconder ou camuflar esse desconhecimento, assumindo riscos desnecessários, os quais provavelmente irão gerar situações muito mais complexas e difíceis de serem solucionadas posteriormente.

É preferível passar por cima do ego e perguntar sobre algo que não se conhece, o que por si só já ajuda a aumentar a lista dos conhecimentos que você sabe que sabe, do que não perguntar e fingir que sabe.

Eu tenho um comportamento que muitos acreditam ser ruim, mas do qual não pretendo me livrar tão cedo : ser pessimista. Sim, eu sempre assumo o pior cenário e trabalho no sentido de estar preparado para o pior.

Pode ser algo psicológico, mas posso garantir que esse comportamento me livrou de muitos problemas. Não queira assumir uma grande responsabilidade sem estar ciente e preparado para todos os riscos que a mesma possa trazer.

Pesquise, questione, aprenda, transfira conhecimento, certifique-se de que todos os envolvidos estejam cientes dos desafios, dos possíveis problemas, dos riscos envolvidos e das formas imaginadas para contornar essas dificuldades.

Lembre-se que é perfeitamente possível ninguém de sua equipe ter levantando uma questão para a qual a resposta ainda se encontre pendente em sua cabeça simplesmente porque se trata de um conhecimento que todos os envolvidos não sabem que não sabem.

Você também pode não saber a resposta, mas ao menos poderá contribuir fazendo com que os envolvidos retirem esse conhecimento de suas listas das coisas que não sabem que não sabem e o adicionem a lista de coisas que sabem que não sabem, onde o mesmo é bem menos perigoso.

Obviamente, tendo ciência da existência da questão pendente, todos poderão trabalhar juntos em uma forma de solucioná-la e trazê-la para a lista de conhecimentos que o grupo como um todo sabe que sabe.

Eu passei por inúmeras situações em que fui considerado inteligente e/ou capaz/competente não por dar uma solução para um problema, mas sim somente por ter apontado problemas que detectei e não foram detectados por outros.

Novamente, é uma prova de que simplesmente aumentar a quantidade de conhecimentos que você sabe que sabe não é o único ponto importante em sua vida, mas sim também aumentar a lista de conhecimentos que você sabe que não sabe, através da diminuição da lista dos conhecimentos que você não sabe que não sabe.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s