Redes sociais : estão todas fadadas a irrelevância ?

Tenho que reconhecer : ultimamente, tenho utilizado muitas redes sociais. Muito mais do que eu imaginaria poder utilizar em um passado não muito distante (alguns poucos meses, em tempo de Internet).

No longínquo tempo de poucos meses atrás, eu ainda tinha a mesma visão que a maioria das pessoas que conheço tem das redes sociais : tecnologias bobinhas para se divertir, mas sem nenhum conteúdo relevante real.

Felizmente, após algum tempo tentando entendê-las, consegui perder o preconceito e passei a compreender que a relevância, em muitos casos, existe para quem corre atrás e não para quem quer que a mesma caia em seu colo como que por mágica.

Ainda não venci o preconceito principal e não desfiz o orkuticído cometido a muitos anos atrás, mas comecei a viver em outras redes sociais. Mais especificamente, comecei já há algum tempo a utilizar serviços de microblogging como o Twitter e o Identi.ca (apesar de reconhecer que uso muito mais o Twitter do que o Identi.ca, mea culpa).

O Twitter tem tudo e mais um pouco para lhe parecer algo extremamente sem sentido e sem utilidade, mas depois de algum tempo você passa a entender o funcionamento e começa a aproveitá-lo.

Hoje em dia, sei que quem diz que Twitter é somente para idiotas que querem ficar sabendo quantas vezes desconhecidos foram ao banheiro são pessoas que realmente não entenderam a utilidade do serviço.

Se você só tem somente esse tipo de informação (inútil, obviamente) em sua timeline, desculpe lhe dizer, mas o incompetente é você. Ao contrário das demais redes sociais do passado (novamente, passado em tempo de Internet), com serviços de microblogging você é quem define a qual tipo de conteúdo quer ter acesso.

Se as pessoas que você segue não são relevantes para você e só falam besteiras, simplesmente pare de seguí-las. Simples assim. Ninguém é obrigado a continuar seguindo alguém só porque esse alguém o segue.

Reciprocidade o cacete 🙂 Sério, não sofra e não tenha medo de utilizar o equivalente ao botão de trocar de canal das redes sociais : utilize o recurso de “unfollow“. É efetivo e faz bem a saúde mental.

Você segue quem fala o que lhe interessa, seja amigo pessoal/conhecido ou não. Eu acompanho várias pessoas que não me acompanham e não passo a acompanhar todos que passaram a me acompanhar.

Se eu acreditar que um amigo, seja ele um amigo pessoal ou não, parou de ser relevante como o era no início e se tornou um maluco informando seus horários para fazer o número dois, “unfollow'” nele.

É fácil assim e, após isso, invariavelmente a felicidade volta a reinar em sua timeline. Na verdade, a regra de ouro para manter a sanidade é bem simples : somente acompanhe as pessoas que são relevantes para você.

Após algum tempo de uso de serviços de microblogging, passei a dar mais valor para redes sociais e, por isso, resolvi dar uma chance ao Facebook, já que todos diziam que se tratava de um Orkut melhorado e com uma quantidade de salsas bem menor.

Não me arrependi e, com a integração do Facebook com quase tudo que se possa imaginar em termos de redes sociais, principalmente com serviços de microblogging, passei a gostar do serviço.

Cheguei até a flertar com o formspring.me. Resisti bastante no início devido a outro preconceito, o de acreditar que se tratava de um serviço inútil para uma pessoa comum e irrelevante como eu.

Por quê eu iria utilizar um serviço onde as pessoas poderiam me fazer perguntas de todos os tipos ? Isso me cheirava a algo restrito a (sub)celebridades instantâneas, coisa que obviamente nunca fui e não pretendo ser.

Depois de algumas pessoas conhecidas pedirem para que eu passasse a utilizar o serviço, aceitei a idéia como uma forma de iniciar somente mais uma brincadeira, já que sabia que provavelmente seriam perguntas engraçaralhas para as quais eu teria respostas ainda mais engraçaralhas.

Me inscrevi no serviço e as pessoas começaram a me fazer perguntas. Achei bastante interessante e passei a respondê-las. Surgiram perguntas não tão engraçaralhas como eu imaginava e eu gostei da brincadeira de respondê-las. As pessoas retribuíram e começaram a fazer mais perguntas, eu gostei e mantive meu perfil no serviço até hoje.

O interessante do serviço é que as pessoas podem fazer perguntas anonimamente. Ou seja, se você quer saber se possui inimigos, essa é sua chance, já que, nesse caso, invariavelmente vão aparecer perguntas cabeludas de “anônimos”.

No meu caso, acredito que tenha um dom até então desconhecido : o dom de enganar muito bem as pessoas, já que consegui passar todo esse tempo sem nenhuma pergunta cabeluda. Consegui responder tudo o que foi perguntado até o momento, sem descartar nenhuma pergunta.

Ou seja, ou eu não tenho inimigos realmente (improvável) ou as pessoas encontraram alguém ainda pior do que eu para chatear. Por mais que solicitasse perguntas inteligentes e desafiadoras (não ofensivas, obviamente), não tive muitas perguntas que me fizeram perder muito tempo pensando em respostas, infelizmente.

De qualquer forma, acredito que o ponto principal é que, atualmente, as redes sociais são ferramentas bastante interessantes, seja para se divertir, encontrar pessoas com interesses em comum e trocar figurinhas, trabalhar e até mesmo encontrar seus arquiinimigos, quando pinta aquela vontade de sacanear (algo muito frequente, em meu caso).

Se você ainda acredita que redes sociais são coisas de miguxos e estão fadadas ao fracasso, ao esquecimento e a obsolescência, azar o seu. Pense novamente e tente se livrar de seus preconceitos. Você não tem nada a perder.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s